CREATE ACCOUNT

FORGOT YOUR DETAILS?

Alta Disponibilidade com HSRP

terça-feira, 03 janeiro 2017 por

Quando alta disponibilidade se torna uma necessidade, utilizamos os First Hop Redundancy Protocols (FHRPs) que nos permitem configurar mais de um roteador físico para agir como se fossem logicamente um. Existem protocolos proprietários como HSRP, GLBP (Cisco), ESRP (Extreme Networks), além do VRRP que é um protocolo definido pelo IEEE, descrito na RFC5798 e RFC3768

QoS–Policing e Shaping (Parte 3)

quarta-feira, 21 dezembro 2016 por

(Ufa) Para finalizar esta série de posts sobre QoS, vamos falar dos mecanismos usados para controlar a taxa de transmissão em uma interface. Tanto o Policing quanto o Shaping são configurados através do MQC, e identificam infrações (excessos) da mesma forma. Eles geralmente diferem, no entanto, na resposta as violações. O Policing normalmente descarta o

(Mão na massa) Vimos no post anterior as opções de marcações. Agora vamos ver como fazer e usar as marcações para dar tratamento diferenciado para o tráfego. Classification O primeiro passo é fazer a classificação (identificação) do tráfego, e para isso usamos o class-map. No Cisco IOS usamos o MQC (composto por class-map, policy-map e

QoS – Quality of Service (Parte 1)

sexta-feira, 09 dezembro 2016 por

(É uma bagunça) QoS – Quality of Service é uma das partes mais complexas de redes (pelo menos pra mim). A configuração requer dezenas de comandos, e temos várias ferramentas, conceitos e mecanismos que devemos usar em conjunto. Além disso nem sempre é fácil fazer o dimensionamento da solução (quais os tipos de tráfego? quais

Tags: , , , , , , , , ,

Internal Usage VLANs

quarta-feira, 28 setembro 2016 por

(Era pra ser um post curto) O que faz o comando vlan internal allocation policy ascending (que já vem configurado nos switches Cisco)? Para responder isso precisamos falar de alguns outros itens antes. Primeiro é importante lembrar que o padrão 802.1Q suporta até 4096 VLANs, e a quantidade de VLANs que podem estar ativas em

Como funciona o Spanning-Tree Protocol

segunda-feira, 15 agosto 2016 por

(Oito anos de blog e não tínhamos um post falando de Spanning-Tree) O STP – Spanning-Tree Protocolo, é utilizado pelos switches para evitar loops de camada 2. Basicamente o STP bloqueia caminhos redundantes, evitando assim a formação de loops. Aliás, justamente por causa deste comportamento (bloquear caminhos) que em algumas redes (data centers, por exemplo)

Otimizando o Spanning-Tree Protocol

quinta-feira, 11 agosto 2016 por

O Spanning-Tree Protocol tem um papel fundamental nas redes “campus”, evitando ocorrência de loops de camada 2, ou pelo menos minimizando as chances deles acontecerem. Fora a utilização do protocolo em sí, com seus vários sabores (STP, PVSTP, RSTP, MST, RPVSTP), podemos habilitar algumas funções nos switches Cisco que farão a rede mais rápida e

Isso é legal! Não é novidade mas boa parte dos switches Cisco (2960-G-S-X, 3560G-E-X, 3750-G-E-X, 6500, Nexus 7K, Sup7E/X4548, entre outros) tem um TDR – Time-Domain Reflectometer embutido. Esta funcionalidade nos permite testar o cabo de rede que está conectado na interface do switch. Para testar um cabo basta usar o comando test cable-diagnostics tdr

Segue um vídeo-tutorial-demonstração, onde são criados dois switches virtuais (Logical Switch) e um roteador (Distributed Logical Router). Os switches fazem a segmentação layer 2, utilizando VXLAN, e o roteador é utilizado para fazer o roteamento entre estas redes, e também para fazer a comunicação entre o mundo virtual e o mundo físico (usando OSPF). Abaixo

TOP